O ciclo vital é constituído pelas etapas do desenvolvimento, da infância, adolescência, idade adulta e velhice. Cada etapa possui especificidades e desafios que precisam ser ultrapassados para que possamos viver com qualidade de vida. Na velhice, não é diferente. O processo de envelhecimento acarreta mudanças físicas, sociais, cognitivas e emocionais, que cada pessoa vivencia de forma diferente, de acordo com sua trajetória de vida. Embora a maioria dos idosos não desenvolva demência, eles experimentam em algum grau, mudanças em seu desempenho cognitivo, sendo a memória uma das funções mais afetadas no ser humano com o avanço da idade¹.

Vale destacar a diminuição de força muscular, que tem efeitos na energia, na disposição para a atividade e na mobilidade; as perdas sensoriais, por exemplo, na visão e na audição, que podem afetar a comunicação; as alterações hormonais, que determinam mudanças na capacidade reprodutiva e na sexualidade².

Outro aspecto importante, consiste nos eventos que com frequência ocorrem nessa fase da vida: a morte de pessoas queridas e a experiência da aposentadoria, por exemplo. Em conjunto, essas mudanças impactam na qualidade de vida do idoso, desde um baixíssimo a um alto grau de incapacidade, dependência, isolamento e adoecimento físico e mental. Com a longevidade e o aumento significativo da parcela da população idosa, como apontado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)³, que em 2030 teremos mais idosos no Brasil que crianças com até 14 anos de idade e, em 2055, que crianças e jovens com até 29 anos de idade; surge como desafio promover o envelhecimento saudável.

A psicoterapia atua como uma facilitadora do processo de adaptação e enfrentamento das mudanças dessa etapa da vida, propiciando um espaço para compreender o envelhecimento como um processo natural, promovendo o envelhecimento saudável através da melhora da autoestima e autocuidado, o desenvolvimento de relações positivas, o crescimento pessoal e a autonomia pessoal.

 

¹MALLOY-DINIZ. Neuropsicologia do Envelhecimento: uma abordagem multidimensional.Porto Alegre: Artmed, 2013.

²Freitas el al. Terapias Cognitivo-comportamentais com idosos. Novo Hamburgo: Sinopsys, 2016.

 

³Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2013). Projeção da população brasileira. Recuperado de: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/projecao_da_população/2013/default.shm

Psicóloga Bruna Sancandi Almeida
CRP 07/30896

Postagens Recentes

Deixe um Comentário